terça-feira, abril 23, 2024
HomeBrasilFiocruz apoia pesquisa sobre os enfrentamentos da violência escolar

Fiocruz apoia pesquisa sobre os enfrentamentos da violência escolar

Publicado em

Artigo Relacionado

Ibama institui plano de atuação para emergência nuclear

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aprovou, no...

Uma cartilha produzida pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF) afirma que cerca de 150 milhões de adolescentes entre 13 e 15 anos tiveram alguma experiência de violência dentro ou ao redor da escola.

A Pesquisa Nacional de Saúde Escolar (PeNSE),  do IBGE, 2015,  indicou que 14,8% de estudantes do nono ano declararam deixar de ir à escola, pelo menos um dia, nos 30 dias anteriores à pesquisa, por não se sentirem seguros no caminho de casa para a escola ou da escola para casa e 9,5% porque não se sentiram seguros no ambiente escolar.

Os casos mais recentes de violência escolar no Brasil mostram um quadro que vem se agravando nos últimos anos. De acordo com o relatório O extremismo de direita entre adolescentes e jovens no Brasil: ataques às escolas e alternativas para ação governamental, produzido por pesquisadores e ativistas dedicados à educação pública e à prevenção do extremismo de direita no país, durante o processo de transição governamental, aconteceram 16 ataques entre 2002 e 2022.

Nos primeiros meses de 2023 foram registrados novos casos, entre eles, o ataque de um ex-aluno a uma escola em São Paulo, que deixou uma professora morta e quatro pessoas feridas; e o atentado à creche em Santa Catarina, que vitimou quatro crianças.

Suely Deslandes, pesquisadora e professora do Programa de Pós-graduação em Saúde da Criança e da Mulher (PGSCM) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), classificou a violência nas escolas em três em três vertentes:

  1. Violência contra as escolas, de depredação e ataques aos prédios escolares e a seus profissionais;
  2.  Violência nas escolas que reúnem fatores como, situações de bullying, de agressões entre membros da comunidade escolar e seu entorno;
  3. Violência da escola enquanto instituição social, que produz discriminações, e por vezes reforça um discurso de meritocracia que não leva em conta as realidades socioeconômicas de seus alunos.

Dessa forma, percebemos que a violência no âmbito escolar tem influência sob todos, visto que tem se instalado de diversas formas, afetando a qualidade de vida pessoal e social, além de ocasionar males a saúde física e psicológica.

Como respostas a essas diversas formas de violência no ambiente escolar, algumas estratégias de enfrentamento vêm sendo adotadas, como a “cultura de paz” que fala sobre uma iniciativa não violenta, de justiça restaurativa, equidade social, um conjunto de pressupostos, inclusive políticos, na condução das relações de comunicação, democracia, participação e inclusão familiar.

Como resposta à violência nas escolas, a Comissão da Criança, do Adolescente e da Pessoa Idosa, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro juntamente com outras instituições, se reuniram no mês de junho em um seminário para uma discussão acerca do tema.

A iniciativa teve como objetivo desenvolver propostas baseadas em uma perspectiva de efetiva intersetorialidade entre as políticas públicas, entendendo que a violência nas escolas não é um problema isolado, mas uma questão que exige uma abordagem abrangente e interdisciplinar.

Suely, como membro do grupo,  fez uma explanação sobre experiências que têm se mostrado ineficientes, principalmente em países da Europa e nos Estados Unidos, por exemplo implantar um sistema de policiamento em salas de aula, treinar professores para manobras militares, entre outas ações de militarização, são iniciativas fracassadas e ineficientes, pois só aumentam o clima de medo entre os indivíduos.

De acordo com a pesquisadora, é necessaário enfrentar a violência estrutural através da valorização do corpo docente, do olhar compassivo ao ambiente escolar, da inclusão familiar.

 

Texto: da redação, com informações da Fiocruz. 

Fotos: divulgação. 

Últimos Artigos

Inpa realiza campanha focada na prevenção da Síndrome de Burnout

O Programa de Qualidade de Vida do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI)...

Ibama realiza ações educativas em escolas municipais

A equipe de Educação Ambiental do Ibama Amazonas realizou, na semana passada, ações educativas...

Hemoam recebe visita de equipe do Ministério da Saúde

A Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) recebeu ontem, quinta-feira (18),...

Projeto Biblioteca Comunitária é realizado em Itacoatiara

Com o objetivo de levar cultura e aprendizado para a comunidade, o Centro de...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Inpa realiza campanha focada na prevenção da Síndrome de Burnout

O Programa de Qualidade de Vida do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI)...

Ibama realiza ações educativas em escolas municipais

A equipe de Educação Ambiental do Ibama Amazonas realizou, na semana passada, ações educativas...

Hemoam recebe visita de equipe do Ministério da Saúde

A Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) recebeu ontem, quinta-feira (18),...