quarta-feira, julho 17, 2024
HomeAmazonasProjeto Escola Olímpica chega em comunidades indígenas

Projeto Escola Olímpica chega em comunidades indígenas

Publicado em

Artigo Relacionado

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

A Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (OBSMA), da Fiocruz, aportou neste último final de semana, 23 e 24/03, na comunidade indígena Três Unidos, situada na Área de Proteção Ambiental (APA) Aturiá Apuazinho, que integra o conjunto de unidades de conservação pertencentes ao Mosaico do Baixo Rio Negro, no Amazonas.

A equipe olímpica da Fiocruz Amazônia foi recebida pelo Tuxaua Waldemir da Silva e levou atividades desenvolvidas pela Coordenação Norte da OBSMA visando incentivar a participação de professores e alunos na 12ª edição da Olimpíada, cujas inscrições acontecem até o próximo mês de junho. Na comunidade, o povo Kambeba, proveniente de aldeias do Médio Solimões, mantém viva a cultura da etnia e a preservação da área em que vivem.

“A Olimpíada da Fiocruz é uma iniciativa que tem tudo a ver com os povos indígenas. Saúde e meio ambiente são temas que discutimos muito, principalmente nós, povos indígenas, que precisamos estar num ambiente bom, um ambiente que temos que cuidar, e eu sempre digo que ambiente bom nos faz ter saúde. Esse tema hoje está presente nas escolas, nos movimentos indígenas, na própria formação dos professores indígenas e nas práticas pedagógicas em sala de aula”, afirmou o professor Raimundo Cruz da Silva, filho do Tuxaua Waldemir e conhecido como Raimundo Kambeba. Segundo ele, que é diretor da escola Kanata Tykua, a OBSMA vem para fortalecer e dar oportunidade para mostrar o potencial dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas.

Rita Bacuri ressalta que a Escola Indígena Municipal Kanata Tykua, é a primeira escola indígena do Amazonas a receber o título de escola olímpica da OBSMA, com a entrega do painel olímpico pintado pela artista do grafite Deborah Erê, junto com a comunidade. Além da escola indígena, a Três Unidos conta ainda com uma unidade de ensino estadual, mantida com apoio da Samsung. Segundo Rita, a OBSMA poderá ainda realizar oficinas pedagógicas de saúde e meio ambiente para professores e, em paralelo, com os estudantes, o Projeto Alunos em Ação. “As duas atividades permitem uma experiência riquíssima de troca de saberes”, afirma Bacuri.

A comunidade foi palco durante dois anos da execução do Projeto Gari (Grupo de Amigos Representando Ideias), coordenado pelo educador ambiental Adriano Rodrigues. Segundo Raimundo Kambeba, a iniciativa fortaleceu o empoderamento comunitário ribeirinho, por meio das artes, junto aos jovens. “Agora, com a Olimpíada, temos a oportunidade de fortalecer o elo entre conhecimentos tradicionais e científicos”, observou. “Isso é muito interessante para nosso povo, estimular essa troca de experiências e valorização da cultura porque fortalece a identidade do jovem, mostrando como se trabalha a educação coletiva e ajudando a formar novas lideranças dos nossos povos indígenas”, salienta o professor. Ainda, Raimundo conta que na escola municipal as crianças já são alfabetizadas na língua indígena kambeba e na língua portuguesa.

Os povos indígenas, reforça Raimundo Kambeba, valorizam a cultura de educação coletiva. “Nós trabalhamos juntos, comemos juntos, fazemos tudo juntos. Educação coletiva é uma arma poderosa contra a educação individualista. O povo Kambeba luta para fortalecer a educação coletiva para que ela seja valorizada e respeitada”, afirma Raimundo.

 

Com informações da Fiocruz AM.

Fotos: Júlio Pedrosa. 

Últimos Artigos

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

Casa das Artes: Exposições celebram a diversidade cultural e artística

Nesta sexta-feira (12/07), às 18h30, a Casa das Artes, localizada na rua José Clemente,...

Ibama e Funai renovam parceria de atuação das Brigadas Federais em Terras Indígenas

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com...

Seminário na UEA debate foco em soluções tecnológicas para o mercado de defesa

Com a missão de proporcionar a criação de novas ideias e perspectivas, oferecendo um...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

Casa das Artes: Exposições celebram a diversidade cultural e artística

Nesta sexta-feira (12/07), às 18h30, a Casa das Artes, localizada na rua José Clemente,...

Ibama e Funai renovam parceria de atuação das Brigadas Federais em Terras Indígenas

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com...