quinta-feira, abril 18, 2024
HomeAmazonasProjeto Escola Olímpica chega em comunidades indígenas

Projeto Escola Olímpica chega em comunidades indígenas

Publicado em

Artigo Relacionado

Projeto Biblioteca Comunitária é realizado em Itacoatiara

Com o objetivo de levar cultura e aprendizado para a comunidade, o Centro de...

A Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (OBSMA), da Fiocruz, aportou neste último final de semana, 23 e 24/03, na comunidade indígena Três Unidos, situada na Área de Proteção Ambiental (APA) Aturiá Apuazinho, que integra o conjunto de unidades de conservação pertencentes ao Mosaico do Baixo Rio Negro, no Amazonas.

A equipe olímpica da Fiocruz Amazônia foi recebida pelo Tuxaua Waldemir da Silva e levou atividades desenvolvidas pela Coordenação Norte da OBSMA visando incentivar a participação de professores e alunos na 12ª edição da Olimpíada, cujas inscrições acontecem até o próximo mês de junho. Na comunidade, o povo Kambeba, proveniente de aldeias do Médio Solimões, mantém viva a cultura da etnia e a preservação da área em que vivem.

“A Olimpíada da Fiocruz é uma iniciativa que tem tudo a ver com os povos indígenas. Saúde e meio ambiente são temas que discutimos muito, principalmente nós, povos indígenas, que precisamos estar num ambiente bom, um ambiente que temos que cuidar, e eu sempre digo que ambiente bom nos faz ter saúde. Esse tema hoje está presente nas escolas, nos movimentos indígenas, na própria formação dos professores indígenas e nas práticas pedagógicas em sala de aula”, afirmou o professor Raimundo Cruz da Silva, filho do Tuxaua Waldemir e conhecido como Raimundo Kambeba. Segundo ele, que é diretor da escola Kanata Tykua, a OBSMA vem para fortalecer e dar oportunidade para mostrar o potencial dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas.

Rita Bacuri ressalta que a Escola Indígena Municipal Kanata Tykua, é a primeira escola indígena do Amazonas a receber o título de escola olímpica da OBSMA, com a entrega do painel olímpico pintado pela artista do grafite Deborah Erê, junto com a comunidade. Além da escola indígena, a Três Unidos conta ainda com uma unidade de ensino estadual, mantida com apoio da Samsung. Segundo Rita, a OBSMA poderá ainda realizar oficinas pedagógicas de saúde e meio ambiente para professores e, em paralelo, com os estudantes, o Projeto Alunos em Ação. “As duas atividades permitem uma experiência riquíssima de troca de saberes”, afirma Bacuri.

A comunidade foi palco durante dois anos da execução do Projeto Gari (Grupo de Amigos Representando Ideias), coordenado pelo educador ambiental Adriano Rodrigues. Segundo Raimundo Kambeba, a iniciativa fortaleceu o empoderamento comunitário ribeirinho, por meio das artes, junto aos jovens. “Agora, com a Olimpíada, temos a oportunidade de fortalecer o elo entre conhecimentos tradicionais e científicos”, observou. “Isso é muito interessante para nosso povo, estimular essa troca de experiências e valorização da cultura porque fortalece a identidade do jovem, mostrando como se trabalha a educação coletiva e ajudando a formar novas lideranças dos nossos povos indígenas”, salienta o professor. Ainda, Raimundo conta que na escola municipal as crianças já são alfabetizadas na língua indígena kambeba e na língua portuguesa.

Os povos indígenas, reforça Raimundo Kambeba, valorizam a cultura de educação coletiva. “Nós trabalhamos juntos, comemos juntos, fazemos tudo juntos. Educação coletiva é uma arma poderosa contra a educação individualista. O povo Kambeba luta para fortalecer a educação coletiva para que ela seja valorizada e respeitada”, afirma Raimundo.

 

Com informações da Fiocruz AM.

Fotos: Júlio Pedrosa. 

Últimos Artigos

Projeto Biblioteca Comunitária é realizado em Itacoatiara

Com o objetivo de levar cultura e aprendizado para a comunidade, o Centro de...

Final do BBB 24: Em Parintins, Governo do Amazonas realiza últimos preparativos para a ‘Festa da Cunhã’ na praça da Catedral

Em Parintins, o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura...

FVS-RCP e CMA se unem para ação de cidadania

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas - Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP),...

Atriz formada pela UEA está em filme que concorre à Palma de Ouro em Cannes

A atriz amazonense Isabela Catão, bacharel em Teatro pela Universidade do Estado do Amazonas...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Projeto Biblioteca Comunitária é realizado em Itacoatiara

Com o objetivo de levar cultura e aprendizado para a comunidade, o Centro de...

Final do BBB 24: Em Parintins, Governo do Amazonas realiza últimos preparativos para a ‘Festa da Cunhã’ na praça da Catedral

Em Parintins, o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura...

FVS-RCP e CMA se unem para ação de cidadania

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas - Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP),...