terça-feira, julho 16, 2024
HomeAmazonasEstudo estima a efetividade do método Wolbachia no Brasil

Estudo estima a efetividade do método Wolbachia no Brasil

Publicado em

Artigo Relacionado

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

Em maio de 2024, o Brasil bateu um recorde negativo. Foram 5 milhões de casos (prováveis e confirmados) de dengue, de acordo com dados do Painel de Arboviroses do Ministério da Saúde (MS). A doença passou a ser alvo de preocupação até mesmo em estados brasileiros onde antes a dengue não era uma realidade. Uma arbovirose transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, e que traz consigo consequências sociais, clínicas e econômicas. Diante deste contexto, um artigo publicado na revista The Lancet Regional Health, com base em um estudo liderado por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) e da Fiocruz, estima com modelos matemáticos os custos e as consequências da incorporação do método Wolbachia para o controle da dengue em sete cidades brasileiras.

A avaliação econômica inclui cenários de simulações representativos da população total de São Paulo (SP), Fortaleza (CE), Campo Grande (MS), Goiânia (GO), Belo Horizonte (MG), Manaus (AM) e Niterói (RJ). Esses são alguns dos municípios identificados como de alta prioridade para receber o método Wolbachia, com base no tamanho populacional e na carga da doença da dengue. Outro ponto em destaque é que as cidades escolhidas estão situadas em diferentes regiões geográficas do país e, além disso, possuem características sociais e demográficas variadas.

A pesquisa utilizou um modelo matemático chamado de microssimulação. O trabalho acompanhou quase 23 milhões de habitantes em um período de 20 anos, considerando as transições entre cinco diferentes estados de saúde (suscetível, caso inaparente, caso ambulatorial, hospitalização e óbito).

Os custos diretos incluíram recursos dos programas locais de controle da dengue, implantação do método Wolbachia e atendimento médico (ambulatorial e hospitalar) à dengue. Também foram considerados os custos indiretos relacionados à morte e à perda de produtividade, contabilizando os chamados os anos de vida ajustados por incapacidade (DALY).

O modelo projetou que, com a implementação do método Wolbachia, seriam evitados pelo menos 1.295.566 casos de dengue, resultando em menores custos e maiores ganhos em termos de expectativa e qualidade de vida em todos os municípios simulados.

“É importante ressaltar ainda que o estudo faz um traço temporal e uma análise sobre casos de dengue e as reduções apontadas são animadoras, um método autossustentável e natural. Além disso, com a liberação de Aedes aegypti com Wolbachia, os nossos Wolbitos, temos o impacto também na redução dos casos de zika e chikungunya”, reforça o líder do método Wolbachia no Brasil, Luciano Moreira.

Em média, para cada 1000 habitantes acompanhados por 20 anos, o método Wolbachia gerou uma diferença de custo de US$ 538.233,68 (R$ 2.691.168,40) e evitou 5,56 anos de vida perdidos por incapacidade. O saldo final (chamado de benefício monetário líquido) foi positivo em todas as sete cidades, variando de US$ 110,72 (R$ 553,59) a US$ 1399,19 (R$ 6.995,95) por habitante, o que sugere um cenário favorável à incorporação do método. Os cenários alternativos também mostraram um retorno favorável do investimento com uma relação custo-benefício positiva.

“Quando falamos do método Wolbachia estamos falando de saúde, e o nosso objetivo é levar mais saúde para mais e mais brasileiros ao longo dos anos e esse estudo reforça o nosso pensamento e desejo de expansão do método Wolbachia para os  territórios mais diversos do país”, ressalta Moreira.

 

Com informações da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ. 

Imagem: divulgação. 

Últimos Artigos

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

Casa das Artes: Exposições celebram a diversidade cultural e artística

Nesta sexta-feira (12/07), às 18h30, a Casa das Artes, localizada na rua José Clemente,...

Ibama e Funai renovam parceria de atuação das Brigadas Federais em Terras Indígenas

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com...

Seminário na UEA debate foco em soluções tecnológicas para o mercado de defesa

Com a missão de proporcionar a criação de novas ideias e perspectivas, oferecendo um...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

Casa das Artes: Exposições celebram a diversidade cultural e artística

Nesta sexta-feira (12/07), às 18h30, a Casa das Artes, localizada na rua José Clemente,...

Ibama e Funai renovam parceria de atuação das Brigadas Federais em Terras Indígenas

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com...