quinta-feira, junho 13, 2024
HomeMundoJudicialização da Política no Brasil: Um poder sem supervisão

Judicialização da Política no Brasil: Um poder sem supervisão

Publicado em

Artigo Relacionado

Manauara Shopping é palco do Manauara Connection, evento de moda, arte e cultura

Na última semana, nos dias 21 e 22/09, aconteceu o Manauara Connection: Moda, Arte...

Brasil | Quinta feira (09).

“A judicialização é uma tendência constante desde 1988. Os políticos recorrem ao Supremo para ter um segundo round em disputas. Ao mesmo tempo, as próprias disputas no Legislativo estão adotando uma linguagem mais jurídica”, afirma Rubens Glezer, professor de Direito Constitucional Fundação Getúlio Vargas (FGV) de São Paulo.

Está citação do professor Rubens, nos remete a refletir sobre o momento atual que nosso país está passando. Acontecimentos atuais nos monstram uma relação ambígua entre os três poderes da república.

O processo do Impeachment sofrido pela ex presidente Dilma Rousseff, teve capítulos de discussão no STF, porém, sendo presidido pela câmara federal dos deputados (votação vergonhosa), e no Senado Federal.

Diante disto, é possível questionar! Porque alguns assuntos são tratados com viés político. Recentemente o STF foi confrontado pelo ex presidente do Senado Renan Calheiros. Nesta briga de braço, Renan venceu, após forçar o STF a rever sua decisão, elementos dão indícios de um pacto entre Senado e STF.

Juiz Sérgio Moro tem conduzido os trabalhos a frente da operação lava jato de maneira competente. Mas, será que ninguém nota a forma seletista da investigação?

Aécio Neves tem sido citado exaustivamente, e até hoje nunca se fez uma condução coercitiva. Michel temer citado como receptor de propina, mas conseguiu conduzir um pacto com PSDB e assumir a cadeira dá presidência como se fosse inocente do processo.

O Senado e presidido por investigados, a Câmara dos deputados está lotada de políticos embaralhados na lava Jato.

E o STF, quem confia no Supremo?

Uma alta corte que faz acordos políticos, uma corte que alguns de seus integrantes tem relação promíscua com senadores e deputados.

Sim, são tempo estranhos, e a judicializacao  da política está presente e sendo cumprida cada vez mais.

Redação

Últimos Artigos

Estudo estima a efetividade do método Wolbachia no Brasil

Em maio de 2024, o Brasil bateu um recorde negativo. Foram 5 milhões de...

Galeria do largo recebe exposição ‘Portrait, entre o real e o abstrato’, nesta quarta

O Centro de Artes Visuais Galeria do Largo apresenta nesta quarta-feira (12/06), a partir...

Vereadora Jessica Conegundes prestigia time de Anamã contra Beruri pela Copa da Floresta

Defensora e incentivadora do esporte, a vereadora Jessica Conegundes (União Brasil), prestigiou o jogo...

A 120 dias da eleição, Thomé Neto vence todos os cenários em Autazes

O Instituto Pontual Pesquisas realizou estudo eleitoral no município de Autazes (a 111 quilômetros...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Estudo estima a efetividade do método Wolbachia no Brasil

Em maio de 2024, o Brasil bateu um recorde negativo. Foram 5 milhões de...

Galeria do largo recebe exposição ‘Portrait, entre o real e o abstrato’, nesta quarta

O Centro de Artes Visuais Galeria do Largo apresenta nesta quarta-feira (12/06), a partir...

Vereadora Jessica Conegundes prestigia time de Anamã contra Beruri pela Copa da Floresta

Defensora e incentivadora do esporte, a vereadora Jessica Conegundes (União Brasil), prestigiou o jogo...