sexta-feira, julho 19, 2024
HomeSaúdeAnvisa libera Coronavac para faixa de 6 a 17 anos e veta...

Anvisa libera Coronavac para faixa de 6 a 17 anos e veta uso de 5 a 3

Publicado em

Artigo Relacionado

Fiocruz AM apresenta áreas de atuação em pesquisa aos integrantes da ASEAN

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) recebeu nesta quarta-feira, 17/07, a...

A Diretoria Colegiada da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou por unanimidade o uso emergencial da vacina Coronavac para crianças de 6 a 17 anos. O voto dos diretores segue a recomendação da área técnica.

O pedido do Instituto Butantan era para crianças e adolescentes de 3 a 17 anos. No entanto, a agência reguladora entendeu que não existe dados suficientes para reduzir a vacinação até essa faixa etária.

A avaliação também veta o uso do imunizante em crianças e adolescentes imunocomprometidos.

O gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, que fez a apresentação da área técnica antes da votação, explicou que a ampliação da faixa etária para 3 a 5 anos poderá ser feita quando houver mais dados disponíveis.

A SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), Sbim (Sociedade Brasileira de Imunizações), e SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) apoiam a autorização e extensão do uso da vacina Coronavac para crianças de 6 a 17 anos.

Um dos estudos usados para a análise foi da vacinação no Chile, que tem resultado preliminar de efetividade na população de 6 a 16 anos.

As evidências científicas disponíveis sugerem que há benefícios e segurança para utilização da vacina na população pediátrica.

A Anvisa aprovou que a dose aplicada em crianças seja a mesma que em adultos com intervalo de 28 dias entre as duas doses.

“São os dados que temos maior informação [6 a 17 anos] e maior sugestão de desempenho. São os dados do Chile, de efetividade do Chile. Isso também é corroborado com os pareceres das sociedades médicas”, disse Mendes.

“E não imunocomprometidas porque essas crianças precisam de uma atenção especial, principalmente no que diz respeito a eficácia. A sugestão é que sejam vacinas crianças de 6 a 17 anos até que tenha a apresentação de novos dados para subsidiar a ampliação da faixa etária”, completou.

A diretora relatora, Meiruze Sousa Freitas, também destacou a não aprovação da vacina para crianças de 3 a 5 anos.

Disse que a agência reguladora apenas aprova a vacina contra a Covid-19 após uma avaliação criteriosa que demonstra qualidade, segurança e eficácia.

“Foram apresentados estudos clínicos de fase 1, 2 e 3 em andamento. E dados e estudos de vida real em quase 2 milhões de crianças com 6 anos ou mais e adolescentes de até 17 anos em países que têm demonstrado competência no monitoramento das vacinas”, ressaltou Freitas.

Ela destacou que vacinar os que são elegíveis ajuda a proteger aqueles que são mais vulneráveis e reduz o risco de doença grave nas próprias crianças.

Freitas destacou que por enquanto crianças menores de 5 anos permanecerão vulneráveis enquanto a Anvisa aguarda dados para aprovação da vacinação para faixas etárias iniciais.

Dessa forma, aconselha que as pessoas ao redor das crianças estejam vacinadas para protegê-las.

Apesar da aprovação, a Anvisa aguarda que o Instituto Butantan encaminhe outros dados, como o resultado da fase 3, que ainda está em andamento.

Além disso, destacou que a instituição deve adotar uma farmacovigilância robusta e capaz de identificar reações adversas da vacina.

Para ampliar a faixa etária de 3 a 5 anos também deverá ser realizado um novo pedido por parte do Instituto Butantan.

O pedido aprovado é o segundo feito pelo Butantan para aplicar Coronavac em crianças e adolescentes.

O primeiro, apresentado em julho, foi avaliado pela agência reguladora e negado por causa da limitação de dados dos estudos apresentados.

O Ministério da Saúde avalia usar a Coronavac em crianças.

Como a vacina é do mesmo modelo aplicado em adultos, estados já se planejam para destinar doses estocadas ao público mais jovem.

O governo de São Paulo já reservou 12 milhões de doses de Coronavac para o uso em crianças.

A vantagem do imunizante é sua disponibilidade de doses, já que ele parou de ser usado pelo governo federal.

O imunizante fabricado pelo Instituto Butantan está autorizada para uso emergencial no Brasil desde o dia 17 de janeiro de 2021 para pessoas a partir de 18 anos.

A Anvisa autorizou em 16 de dezembro o uso da vacina da Pfizer para imunizar crianças de 5 a 11 anos. O imunizante já era aprovado para as outras faixas etárias.

O Ministério da Saúde anunciou em 5 de janeiro que crianças de 5 a 11 anos receberão a vacina da Pfizer para a Covid-19 sem a necessidade de apresentação de prescrição médica.

A campanha de vacinação das crianças foi aberta na última sexta-feira (14) em São Paulo.

O primeiro imunizado foi Davi Seremramiwe Xavante, um menino indígena de 8 anos.

A vacinação de crianças e adolescentes é tema sensível no governo Jair Bolsonaro (PL), pois o mandatário distorce dados e desestimula a imunização dos mais jovens.

Ele chegou a ameaçar expor nomes de servidores da Anvisa que aprovaram o uso de vacinas da Pfizer em crianças.

A previsão é que a pasta receba até março ao menos 30 milhões de doses pediátricas da Pfizer contra a Covid-19, suficientes para imunizar parte da população de crianças de 5 a 11 anos.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) estima que, em 2021, havia 20,4 milhões de pessoas de 5 a 11 anos. No entanto, a vacina é aplicada em duas doses.

Por Raquel Lopes/FOLHAPRESS 

Foto: Divulgação 

Redação por Bernardo Andrade 

Últimos Artigos

Fiocruz AM apresenta áreas de atuação em pesquisa aos integrantes da ASEAN

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) recebeu nesta quarta-feira, 17/07, a...

Ambientalistas saem em defesa do Igarapé do Goiabinha em Manaus.

O ato ocorreu neste dia 10 de julho por ocasião da 7a. Reunião da...

Projeto ‘Aqui Tem Jazz’ promove circuito gastronômico em Manaus durante período do Amazonas Green Jazz Festival

A organização do Amazonas Green Jazz Festival, edição 2024, estão com as inscrições abertas...

Com apoio do Governo do Amazonas, incubadora de empresas fortalece empreendedorismo de base tecnológica

No interior do Amazonas, especificamente no município de Itacoatiara (distante 176 quilômetros de Manaus),...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Fiocruz AM apresenta áreas de atuação em pesquisa aos integrantes da ASEAN

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) recebeu nesta quarta-feira, 17/07, a...

Ambientalistas saem em defesa do Igarapé do Goiabinha em Manaus.

O ato ocorreu neste dia 10 de julho por ocasião da 7a. Reunião da...

Projeto ‘Aqui Tem Jazz’ promove circuito gastronômico em Manaus durante período do Amazonas Green Jazz Festival

A organização do Amazonas Green Jazz Festival, edição 2024, estão com as inscrições abertas...