sábado, maio 25, 2024
HomeAmazonasMulheres em trabalho de parto terão direito a acompanhante no AM

Mulheres em trabalho de parto terão direito a acompanhante no AM

Publicado em

Artigo Relacionado

Seminário de Segurança Inovadora discute esta semana a ordem pública a partir de experiências bem sucedidas no país

Especialistas em segurança pública de todo o Brasil serão palestrantes no II Seminário de...

Para prevenir os crimes de violência obstétrica e até abusos sexuais no trabalho de parto, as mulheres do Amazonas terão direito a acompanhante na sala de cirurgia durante todo o procedimento médico. É o que determina o Projeto de Lei nº 337/2022, em tramitação na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). A matéria é de autoria da deputada Joana Darc (União Brasil).

Recentemente, no Rio de Janeiro, um médico anestesista estuprou uma mulher dentro da sala de cirurgia durante o trabalho de parto. O tema repercutiu nesta terça-feira, 12, na Aleam, com repúdio das deputadas Joana Darc e Alessandra Campêlo (PSC), que usaram a tribuna para protestar contra o ato do médico.

O Projeto de Lei determina que são garantidos ao acompanhante das parturientes em todos os procedimentos médicos e laboratoriais, relacionados à gestação e ao parto:

I – O acompanhante de que trata o caput deste artigo será indicado, exclusivamente, pela parturiente, podendo ser qualquer pessoa de sua livre escolha, inclusive profissional contratado por si.

II – Com o fim do trabalho de parto, a instituição deverá lavrar um termo atestando as condições de saúde da parturiente, o qual deverá ser assinado pelo seu acompanhante, que deverá receber uma cópia do documento;

III – As ações destinadas a viabilizar o pleno exercício dos direitos de que trata este artigo constarão do regulamento da lei, a ser elaborado pelo órgão competente do Poder Executivo Estadual, conforme a Política Estadual de Atendimento à Gestante no Estado do Amazonas, Lei nº 5.316, de 18 de novembro De 2020.

O direito à presença de um acompanhante, contratado ou não, também se estende a todas as suas consultas de pré-natal, independente da especialidade e da natureza do estabelecimento.

Joana Darc afirmou, em sua justificativa, que uma em cada quatro mulheres já sofreram violência obstétrica. De acordo com Relatório das Nações Unidas, a informação é de que, nos últimos 20 anos, profissionais de saúde ampliaram o uso de intervenções que eram anteriormente usadas apenas para evitar riscos ou tratar complicações no momento do parto. “A pesquisa ‘Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado’, da Fundação Perseu Abramo, apontou que 25% das mulheres já sofreram algum tipo de violência obstétrica – número alto, que acende um sinal de alerta. A Organização Mundial da Saúde (OMS) se posicionou a respeito do tema, publicando um documento sobre a prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto, uma vez que a discussão é fundamental, pois muitas mulheres continuam sendo vítimas dessa violência justamente no momento em que estão mais vulneráveis”, ressaltou.

De acordo com a matéria, a violência obstétrica é caracterizada com xingamentos, recusa de atendimento, realização de intervenções e procedimentos médicos não necessários, como exame de toque a todo momento, grandes episiotomias (incisão efetuada na região do períneo) ou cesárias desnecessárias, durante o pré-natal ou até mesmo durante o parto.

Agora, a matéria vai passar pelas comissões especiais da Aleam e será votada pelos deputados.

 

 

Por Augusto Costa/O Poder

Foto: Reprodução

Últimos Artigos

Seminário de Segurança Inovadora discute esta semana a ordem pública a partir de experiências bem sucedidas no país

Especialistas em segurança pública de todo o Brasil serão palestrantes no II Seminário de...

Promotor investiga suposto desvio de merenda escolar na rede de ensino da Prefeitura de Manaus

O promotor do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), Marcelo Pinto Ribeiro, da 55ª Promotoria...

Abertas inscrições para oficina de pintura para pessoas com deficiência visual e baixa visão

Em comemoração aos 15 anos da audiodescrição no Amazonas, o Governo do Estado, por...

Márcia Perales lança livro sobre a democratização do ensino

A pesquisadora e escritora Márcia Perales Mendes Silva, diretora-presidente da Fundação de Amparo à...

Eric Lima

Criador do Portal Pontual

Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na área de concentração de Epidemiologia de Agravos e Prevalentes na Amazônia pelo instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/FIOCRUZ), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Pará (UFPA - 2013). Tem experiência em pesquisa na área de Epidemiologia, Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Pública, Avaliação de Serviço em Saúde e Saúde Baseada em Evidências, desenvolvendo estudos nos temas: Tuberculose, Resistência aos fármacos, Tuberculose Multirresistente, Coinfecção TB/HIV.

Mais artigos como este

Seminário de Segurança Inovadora discute esta semana a ordem pública a partir de experiências bem sucedidas no país

Especialistas em segurança pública de todo o Brasil serão palestrantes no II Seminário de...

Promotor investiga suposto desvio de merenda escolar na rede de ensino da Prefeitura de Manaus

O promotor do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), Marcelo Pinto Ribeiro, da 55ª Promotoria...

Abertas inscrições para oficina de pintura para pessoas com deficiência visual e baixa visão

Em comemoração aos 15 anos da audiodescrição no Amazonas, o Governo do Estado, por...